Startup é uma das selecionadas para o novo ciclo de aceleração da VENTIUR que iniciou em dezembro

 

Visão computacional e uso de drones – a conexão entre esses dois segmentos da área de tecnologia proporcionou a criação da Pix Grid, empresa que atua no monitoramento eletrônico de torres de transmissão de energia elétrica desde 2018 em várias regiões do País. Atualmente grande parte dessas inspeções ainda são feitas a olho humano.

A startup está entre as cinco selecionadas da turma 11 da VENTIUR, cujo ciclo de aceleração iniciou em dezembro. O CEO da empresa – e também um dos fundadores – Daniel Moura, comemora o ótimo desempenho que a empresa vem apresentando no setor energético do País. “É um setor muito estratégico (energia), mas que ainda depende de muita infraestrutura para garantir a qualidade de sua operação”, observa Moura. E foi a partir da análise das necessidades desse mercado, que surgiu a Pix Grid – uma spin off da empresa Pix Force, que já desenvolve soluções utilizando tecnologias de visão computacional, inteligência artificial e machine learning há cinco anos. 

O CEO revela que a Pix Grid é a primeira experiência nesse modelo de spinoff da Pix Force, que já desenvolvia a tecnologia para ser aplicada em vários setores desde 2015. “O mercado tem uma grande demanda reprimida nessa área, pois a tecnologia de visão computacional se aplica a tudo”, observa Moura. Ele explica que dentre os segmentos que utilizam a tecnologia, o energético foi o que registrou maior crescimento durante o período de “testagem” dos novos modelos de negócio da organização. 

Conforme Moura, a tecnologia das linhas de transmissão é muito antiga e precisa de manutenção constante, e por isso a Pix Grid oferece uma gestão eficiente desses sistemas, gerando redução de custos a cada operação. “Nossa solução tem como objetivo garantir que esse processo seja feito de forma mais rápida, fácil e, principalmente, segura”, destaca

A Pix Grid 

Os drones estão revolucionando diversos setores da indústria de energia. As informações mapeadas por estes dispositivos auxiliam na inspeção de anormalidades e danos ao longo da linha de transmissão de energia. Segundo Moura o monitoramento das redes de transmissão é feito pela Pix Grid com o apoio de um drone equipado com câmeras RGB e termal, onde é possível captar imagens da torre e automaticamente fazer a identificação de pontos críticos nas linhas de transmissão, conectores, isoladores, espaçadores, dentre outros componentes da torre. 

Entre os principais diferenciais da Pix Grid estão a geração rápida e automática de relatórios, bem como a identificação dos pontos de interesse de forma mais precisa e automática, além da redução dos custos e dos riscos no processo de manutenção. Este último item está relacionado ao fato de os voos serem autônomos, através da plataforma proprietária, o que garante mais eficiência e segurança ao processo. “A manutenção é a maior dificuldade nesse setor. Quando se economiza neste ponto, em específico, as empresas aumentam sua lucratividade”, enfatiza o CEO. 

Conforme Moura, grande parte dessas inspeções ainda são feitas a olho humano. Porém a Pix Grid trabalha com o sistema completamente automatizado, identificando pontos quentes e componentes danificados, o que gera velocidade no processo de inspeção. Essa capacidade que os drones têm de inspecionar áreas de difícil acesso, permite que as empresas gerenciem seus ativos de maneira mais eficaz, coletando informações através de imagens com custos muito inferiores do que as feitas por um helicóptero. Até o surgimento da tecnologia de drones, inspeções em linhas de transmissão eram executadas de forma manual por helicópteros ou escaladores industriais. 

Esse processo era feito de maneira individual a cada linha, representando risco às equipes técnicas, além de ser um processo mais lento e caro. Dessa maneira, a utilização de drones é uma alternativa muito mais segura, rápida e ecologicamente correta para este tipo de inspeção. Apesar dos drones já serem utilizados por algumas empresas,  é o uso da Inteligência Artificial com voos autônomos que irão gerar escalabilidade para mudar a forma com que as organizações interagem com ativos de transmissão de energia. Entre os principais clientes da Pix Grid estão as gigantes do setor energético como o Grupo CPFL Energia e a Eneva Energia. 

Planos de expansão para 2021 

Os recursos que serão repassados a empresa por meio do programa IA² MCTI – Inovação Aberta e Inteligência Artificial do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) em conjunto com a Softex, no âmbito do Programa Prioritário, já têm destino certo. A empresa quer ampliar seu ramo de atuação e por isso irá concentrar os aportes financeiros na estruturação do desenvolvimento de produto e também na ampliação de sua área comercial. 

 

“Com o investimento da VENTIUR, por meio do MCTI, vamos acelerar nosso processo, desenvolvendo e validando novos produtos para assim partirmos para uma atuação global”, revela Moura. Ele salienta que a empresa já é conhecida no mercado, mas precisa agora atrair novos clientes do segmento energético, aproveitando a experiência de mercado obtida nos últimos anos. “Em nível mundial conseguimos competir com qualquer empresa do segmento”, enfatiza. A empresa já participou de missões comerciais para os EUA e Emirados Árabes, sendo que neste último país esteve no estande da softex em Dubai no mês passado. 

 

Além do aporte financeiro, durante o processo de aceleração, a Pix Grid terá o acompanhamento da aceleradora e de seus mentores, e também do gestor de aceleração da VENTIIUR por um período de sete meses até julho 2021, quando acontece o Demoday. Nesse período a empresa participa de bootcamps, aproximação com parceiros, mentores, reuniões de acompanhamento e eventos de capacitação com foco no desenvolvimento dos empreendedores e seus times.

 

E como surgiu a empresa Pix Force

A Pix Force desenvolve soluções utilizando tecnologias de visão computacional, inteligência artificial e machine learning, fornecendo dados importantes para seus clientes por meio de aquisição e interpretação automática de imagens e vídeos. A história da empresa remonta ao ano de 2009, quando Moura, que é engenheiro por formação, se mudou para os Estados Unidos para cursar Mestrado pela Universidade da Flórida. 

Nessa época ele também começou a trabalhar em uma empresa americana da área de sustentabilidade e que estava criando uma subsidiária no Brasil. Nessa consultoria ambiental, Moura atuou por 10 anos, onde verificou oportunidade para análise de grandes áreas a partir da captação de dados por meio da utilização de satélites e drones. Juntamente com outros três colegas, ele deu início à empresa, que baseou sua operação na elaboração de produtos de inteligência artificial para análise de imagens. 

Inicialmente, como forma de divulgar a solução para o mercado, a Pix Force participou de eventos nesses segmentos, sendo que em 2017 a empresa começou a experimentar um crescimento exponencial, conseguindo dar tração ao negócio. A equipe também cresceu e hoje já chega a 50 pessoas. “Nos últimos dois anos de trajetória, fechamos projetos com grandes empresas da área de combustível e energia”, lembra. Entre os principais clientes estão Shell, ArcelorMittal, Fibria e CMPC. 

Além da matriz em Porto Alegre, a empresa possui sedes nos EUA e na Finlândia. “Estamos no timing certo. Não adianta ter somente uma ideia boa e produto bons, pois precisamos também do mercado”, finaliza o CEO. 

 

Reconhecimento do ecossistema de inovação

Por dois anos seguidos – 2018 e 2019 – a empresa ficou em primeiro lugar no Ranking 100 Open Startups para Visão Computacional. Já em 2020 a empresa ficou com o primeiro lugar em inteligência artificial. O ranking premia anualmente as startups que mais se destacaram no mercado corporativo e as empresas líderes mais engajadas no ecossistema de inovação. O Ranking 100 Open Startups tornou-se um dos grandes destaques da imprensa nacional e é usado como referência por grandes empresas e investidores. 

Quer saber mais sobre a Pix Force? Então acessa o site ou siga as redes sociais da empresa através do @pix_force.