logo-ventiur

Menu

Mercado de IoT no Brasil – Felipe Plets

Há poucos dias apresentei o Farol, uma plataforma para desenvolvimento de soluções contextuais utilizando Internet das Coisas à um grupo de investidores. Dentre os tópicos do meu pitch, falei sobre termos clientes fora do país e de ter uma estratégia clara de internacionalização. Um dos principais feedbacks que recebi foi “Fazem muito bem em ter uma estratégia de internacionalização, pois infelizmente IoT é um conceito que só vai ser entendido e adotado no Brasil depois que o assunto já tiver esfriado no resto do mundo”. Dentre todos ótimos feedbacks, esse é um dos quais já temos experiência na Menvia, porém eu nunca havia me dedicado a pensar sobre este assunto tanto quanto o fiz depois deste feedback e gostaria de compartilhar com você.

Primeiramente é necessário entender que a Internet das Coisas é baseado em 3 componentes básicos, a internet (rede), a coisa (dispositivo) e necessidades. Dispositivos e redes são caros e ainda escassos no Brasil, o que deixa a adoção mais lenta e por tanto é um ponto de reflexão, porém o custo deve ser sempre medido baseado no retorno do investimento, sendo assim deve se entender quais são as necessidades que tornam a Internet das Coisas interessante para o nosso mercado, algumas verticais onde é claro que a Internet das Coisas pode trazer um grande avanço e um bom retorno do investimento por aqui são:

  • Agroindústria (ex.: plantações inteligentes com otimização no uso de recursos)
  • Segurança (ex.: rastreamento de veículos )
  • Medicina (ex.: Atendimento remoto eficiente, exames simplificados e de menor custos)

Minha conclusão é que IoT é um mercado atraente e de grande potencial no Brasil. A questão de adoção recai mais sobre você ter o produto certo, que atinja a necessidade do mercado brasileiro ao invés de copiar estratégias feitas em outros países e que muitas vezes resolvem problemas reais, mas que no Brasil ainda não são os problemas mais latentes, por exemplo fazer entregas por drones pode ser muito legal, mas existem outros problemas de espaço aéreo e transporte que tem maior necessidade de serem resolvidos a curto prazo por aqui.

Para corroborar com meu otimismo do mercado brasileiro de IoT, a IDC publicou recentemente um estudo de que serão movimentará US$ 4,1 bilhões no Brasil em 2016.

Pense sobre isso, construa, inove e compartilhe 😉

Compartilhamos propósitos
e resultados

Ventiur
Importantes
Fale Conosco

Email: contato@ventiur.net
Av. Unisinos, 950 / Sala 101
Tecnosinos – Unitec I
São Leopoldo/RS

© Copyright Ventiur – 2021 | Todos os direitos reservados

Aclamadas pela comunidade científica, as Deep Techs estão sob o mesmo guarda-chuva de empresas criadas a partir de disrupções em áreas como biotecnologia, engenharia e arquitetura de dados, genética, matemática, ciência da computação, robótica, química, física e tecnologias mais sofisticadas e profundas. São startups que propõem inovações significativas para enfrentar grandes problemas que afetam o mundo.

 

Por mais que tentar chegar a uma definição possa parecer um exercício bastante ousado, quando falamos de uma área de tamanho conhecimento e aplicação, negócios que se enquadram dentro deste conceito, tratamos de soluções com alto valor agregado, que irão impactar positivamente não só um grupo determinado específico de pessoas, mas que podem mudar o mundo.

 

Para fomentar ainda mais o setor e auxiliar nesse crescimento, o Delta Capital abriu inscrições para selecionar Deep Techs. A chamada inicia dia 22/11 e vai até 10/12, não perca tempo e inscreva-se aqui!

 

 Em breve conheceremos as iniciativas selecionadas.