Soprano desenvolve projeto inovador através de parceria

A tradicional fábrica de fechaduras Soprano decidiu acompanhar as tendências no mercado e inovar. Porém, ao invés de trabalhar essa inovação dentro da Soprano, empresa com 60 anos consolidados, optou por desenvolver uma Spin-off [1], dentro do plano de inovação aberta. Com o suporte da Ventiur, através da parceria com o Tecnosinos, que traz como solução empresarial esse tipo de inovação. Popularmente conhecida como Open Innovation, o projeto dará destaque à empresa perante a concorrência.

 

LEIA TAMBÉM ESTES ASSUNTOS RELACIONADOS:

EMPRESA DE TELEMEDICINA  ASSESSORADA PELA VENTIUR EXPANDE PARA O BRASIL

INOVAÇÃO: VOCÊ SABE O QUE (REALMENTE) QUER DIZER?

EMPRESA DE CRÉDITO ADENTRA RIO GRANDE DO SUL

 

A Spin-off que trabalhará com desenvolvimento tecnológico terá estrutura independente e acomodará a implementação de novos produtos ligados a segurança básica de recintos e a lógica de fechaduras. Nesse sentido, a Ventiur vai agir em três importantes etapas: modelando o negócio, colaborando com o plano de testes e aproximando startups da internet das coisas (IOT). Esse tipo de abordagem prospecta o aumento do público-alvo e visa o público futuro de consumo dessas tecnologias. Os chamados nativos digitais, que nascem inseridos na atmosfera tecnológica, projetam o futuro do consumo.

SOPRANO-crop

Sobre a incorporação a partir da Inovação Aberta, o Diretor de Operações da Ventiur, Tiago Lemos, ressalta que trata-se de “um novo modelo de desenvolvimento empresarial, é a revolução na inovação no mercado de trabalho”. O Open Innovation foi o meio que as grandes corporações encontram para solucionar problemas que até então eram de difícil resolução. Enfatiza que o mais importante nesse modo não são os ciclos, mas as pessoas, as ideias e a sua execução.

[1] Empresa nascente a partir de organizações já existentes.

Quer inovar na sua empresa? Entre em contato conosco!

Qualis atinge pico de acessos e projeta expansão para todo o Brasil

A empresa de consultoria em infectologia e gestão de controle de infecções hospitalares Qualis, supera expectativas e planeja intensificar e expandir seus serviços. A companhia, assessorada pela Ventiur, tem sua plataforma presente em 12 hospitais e que conta com mais de 900 profissionais cadastrados, superou 5 mil acessos mensais de consultorias em infectologia e alinha seu foco para projeção nacional.

Com mais de 16 mil pacientes avaliados em três anos de funcionamento, o portalQualis presta suas consultorias através da telemedicina e, com sua implementação no mercado, os hospitais remotos estão cada vez mais preparados para tratar doenças infecciosas e controlar infecções hospitalares. “A Qualis surgiu de uma necessidade da área, principalmente dos hospitais distantes dos grandes centros”, explica com autoridade o idealizador e sócio fundador da Qualis, Rodrigo Pires dos Santos, que é médico há 16 anos e especialista em infectologia há 12. “A Ventiur está desde o começo do projeto, na época (2011) ainda era Venti Inteligência em Projetos, e foi ela que estruturou a Qualis; modelou o negócio, testou hipóteses no mercado e contribuiu para que o projeto torna-se uma empresa, que era algo inovador para a área e para mim”, acrescenta Santos que, recentemente, fechou um novo projeto com a Ventiur para ampliar sua gestão de negócios.

O suporte à tomada de decisão médica foi um sucesso desde o primeiro hospital-teste para implementação, no primeiro semestre de 2011, quando em um mês de funcionamento as taxas de adequação das prescrições de antibióticos subiram de 30% para 60%. Este resultado publicado na revista especializada internacional Telemed and Telecare. A consultoria é direcionada para os médicos e inclui, além de prescrições, vídeo conferências, plantões online para manter 24h de auxílio e acesso por telefone. Os resultados de melhoria da qualidade de prescrição médica, redução da resistência bacteriana e diminuição de gastos com medicamentos aparecem no curto prazo. Para manter sua excelência profissional, uma equipe de quatro médicos, um farmacêutico e uma enfermeira mantém uma lógica de compreensão das necessidades de cada hospital, fazendo um primeiro diagnóstico a partir de atendimento presencial e elaborando um relatório com as melhorias propostas.

Dos hospitais em que atua, nove são no Rio Grande do Sul, nas cidades de Alegrete, São João da Reserva distrito de São Lourenço do Sul, Osório, Campo Bom, Montenegro, Sapiranga, Livramento, Frederico Westphalen e Porto Alegre, dois são em Santa Catarina, nas cidades de Rio do Sul e Ituporanga e um no Maranhão, na capital São Luís. Agora, a primeira medida é intensificar a adesão da plataforma no RS e subir para o estado vizinho, Santa Catarina. Com a boa receptividade obtida no Maranhão, fica claro a expansão nacional é apenas uma questão de tempo.