Plataforma criada pela startup conecta colaboradores e gestores do segmento hospitalar

 

Gestores de empresas já contam com um importante aliado na tarefa de realizar o planejamento das escalas de trabalho de suas equipes. A StarGrid desenvolveu uma plataforma de gestão automática de escalas laborais com uso de Inteligência Artificial focada no segmento hospitalar. A empresa é uma das cinco startups que formam a turma 11 da Aceleradora VENTIUR.

O CEO da StarGrid, Guilherme Bunse, comentou que a empresa possui atualmente mais de 35 mil usuários que utilizam a solução em suas rotinas de trabalho em diferentes regiões do País. Ele destaca que a ferramenta possibilita a automação das escalas, facilitando trocas diárias, folgas e faltas, e permite o dimensionamento baseado na demanda verificada. Essa dinâmica auxilia no redimensionamento da força de trabalho entre os setores e equipes. Antes da solução criada pela StarGrid, as escalas de trabalho eram feitas de forma manual e com diferentes padrões de escolha, entre áreas e turnos, gerando conflitos internos e eventuais descontentamentos. 

Na prática a solução funciona da seguinte maneira: na primeira etapa, o colaborador escolhe suas folgas preferenciais e lança na plataforma. Em seguida o gestor da área configura as regras de cada setor, e depois os ajusta. Quando ocorre a aprovação, o grid é gerado automaticamente. Finalizadas essas três etapas, o colaborador recebe sua escala de trabalho diretamente no celular, permitindo trocas caso seja necessário. Conforme Bunse, esse processo gera diversos benefícios, tanto para a empresa, quanto para o colaborador. 

Dentre os benefícios apontados pelo CEO estão o grau de satisfação dos colaboradores com os dias de folgas, que chega ao índice de 70% – antes da adoção da ferramenta não passava de 20%. Conforme Bunse, para a empresa, a solução da StarGrid impacta em indicadores de desempenho, reduzindo turnover, absenteísmo, banco de horas, horas extras, dentre outros fatores. Tais índices geram resultados financeiros para a organização, o que inclui a redução dos custos com folha de pagamento, horas extras e passivos judiciais.

E como surgiu a empresa?

Bunse, que é Bacharel em Ciências Jurídicas e atuou como diretor comercial de uma gestora de fundos de investimentos por oito anos, recorda o surgimento da StarGrid. Ele disse que a empresa surgiu há cerca de três anos, a partir de uma análise do segmento de saúde e de uma das suas principais ‘dores’ que é o gerenciamento das escalas de trabalho em clínicas e hospitais. Uma pessoa próxima ao empreendedor expôs a dificuldade que estava enfrentando na instituição em que trabalha com as escalas informais de trabalho.

A partir desse relato, ele começou a mapear e identificou que este era um problema recorrente em outras instituições de saúde e não somente naquela em específico. Com a demanda identificada, Bunse, juntamente com um dos sócios, que é da área de Inteligência Artificial, começou a captar recursos para criação do modelo de negócio da StarGrid e a validação junto à área de saúde. 

Inicialmente a empresa começou atendendo o Hospital Moinhos de Vento e o Hospital Santa Casa, ambos de Porto Alegre. Nos meses seguintes, a startup trouxe outras empresas para sua base de clientes, não somente do Rio Grande do Sul, mas também de outras regiões do País. Um dos exemplos dessa projeção em nível nacional foi a parceria com o Hospital Sírio Libanês, de São Paulo, que é uma das principais redes de saúde do País com mais de 120 mil pacientes atendidos anualmente. 

A StarGrid está entre as cinco startups gaúchas que mais se destacaram em seus segmentos – agronegócio, alimentos, educação, finanças, indústria, saúde e varejo, conforme levantamento feito pelo Sebrae em parceria com o Instituto Caldeira. A relação foi feita a partir de uma análise do mercado, considerando que as empresas já estão consolidadas e também as que estão em expansão e entregam soluções para problemas reais das organizações. 

Atualmente a equipe da StarGrid é formada por 16 colaboradores. Além do CEO, Bunse, a empresa conta com outros quatro sócios em funções distintas: Tiago Fiorenza – CTO, Werner Trielof – CFO, Henri Fiorenza – CAO, e Elisa Martel – CPO. A empresa está sediada no Parque Tecnológico da PUC, em Porto Alegre.

 

Planos de expansão para 2021

A empresa ampliou seu faturamento em 2020 e a expectativa é melhorar essa taxa de crescimento ainda mais para este ano. E os aportes financeiros que a empresa irá receber durante o processo de aceleração da VENTIUR, já têm destino certo. O CEO comentou que os recursos permitirão que seja implementado o plano de expansão para este ano. Revelou que a intenção é investir em marketing e vendas, com foco na consolidação de produtos que tenham funcionalidades mais qualificadas e na escalabilidade de seu produto. 

“Chegamos ao momento de tracionar o negócio. Para isso estamos mapeando como a estrutura que temos poderá ser ainda mais eficiente”, revelou o CEO. Para alcançar essa eficiência, a empresa está aprimorando seus indicadores internos e já está focando em outros segmentos da economia além do setor da saúde. Para 2021 a empresa segue prospectando novos negócios em seu segmento original, principalmente por se tratar de um nicho de atuação com grande potencial no País. 

“Mantemos nosso foco na saúde, mas precisamos nos experimentar em outras áreas para podermos ter escalabilidade no negócio”, argumenta. Dentro desse contexto, o CEO comentou que a StarGrid já começa a testar sua solução na área de facilities, além da indústria e do varejo, pois segundo ele, a gestão das escalas de trabalho é um problema do mercado como um todo e não só da área da saúde. “Já estamos conversando nesse primeiro momento com gestores de segmentos que possuem jornadas de trabalho semelhantes às da área da saúde, como redes de supermercados e postos de combustíveis”, pontuou. 

A StarGrid também está entre as 15 startups gaúchas para ficar de olho em 2021,   conforme relatório do Sebrae. O ranking indica empresas que possuem modelos de negócios inovadores, com a resolução de problemas reais. 

Seleção no programa do MCTI

A empresa está entre as startups selecionadas pelo programa IA² MCTI – Inovação Aberta e Inteligência Artificial do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) em conjunto com a Softex, para receberem aceleração da VENTIUR. A iniciativa do MCTI tem como objetivo apoiar projetos de pesquisa e desenvolvimento orientados ao desenvolvimento de soluções em inteligência artificial em quatro áreas prioritárias: agronegócios, saúde, indústria e cidades inteligentes. 

O ciclo de aceleração da turma 11 da VENTIUR iniciou em dezembro último. E durante esse processo, a Stargrid terá o acompanhamento da aceleradora e de seus mentores, e também do gestor de aceleração da VENTIUR por um período de sete meses até julho, quando acontece o Demoday. Para saber mais sobre a Stargrid acesse o site ou nas redes sociais pelo @stargridapp.