2020: O início de uma década

Já que 2020 marca o início de uma década muito importante, nada melhor do que falar sobre assuntos que você pode utilizar na sua empresa. Novas tecnologias estão avançando a passos largos e o comportamento das pessoas e empresas estão mudando rapidamente, então vamos aprender um pouco mais sobre tendências 2020.

Miguel Feldens, Global Head of Product Operations do Google compartilhou sua palestra sobre segredos do fracasso e tendências 2020 com investidores e empreendedores da VENTIUR em uma palestra realizada na Oca Brasil, em Porto Alegre.

Feldens também citou a importância de medir os resultados pelas métricas corretas contando o exemplo de foguetes: A métrica não é quanto querosene é queimado, mas se atingiu o objetivo ou não. Em outras palavras, muito se fala no mercado de startups sobre o quanto investimento é levantado e utilizado por uma startup, mas pouco sobre o atingimento das reais metas e impacto do negócio.

Por que estratégias falham?

Outro assunto que gerou bastante engajamento foi sobre as falhas de execução das estratégias. Sim, se o Google pode falhar, portanto quem somos nós para acertarmos sempre?

Segundo Feldens, 70% das estratégias costumam falhar e os principais motivos são:

  • Falta de confiança ou baixo compartilhamento de informações;
  • Resistência à mudança;
  • Muita fala e pouca ação;
  • Resposta automática à pressão;
  • Complacência com o Status Quo;

Empresas que conseguem superar esses problemas tendem a atingir ótimos resultados.

Tendências 2020

E agora vamos às tendências 2020 que você pode incorporar na sua empresa.

Miguel compartilhou 7 comportamentos que tendem a trazer bons resultados para as organizações que adotam essas práticas.

  1. Colocar-se no lugar do usuário;

    Entenda bem a sua persona e jornada de compra. Seja assertivo pois é impossível atender todo o mundo. Cada persona tem suas peculiaridades e você precisa escolher bem quem deseja atender.

    “Coma a comida do seu cachorro”. Primeiramente, use você mesmo o produto e avalie constantemente se a qualidade está adequada. Não deixe que a rotina de desenvolvimento de seu produto, marketing e vendas lhe tire o tempo de testar e entender as melhorias necessárias no produto.

    Respeite o tempo do cliente e usuário. Nem todos estão prontos para consumir seu produto ou serviço no momento. Saiba como criar uma mensagem positiva e educá-los para serem seus clientes no futuro.

  2. Pessoas não são a coisa mais importante, elas são a única coisa;

    Entenda a motivação das pessoas que trabalham na sua empresa. Segundo Daniel Pink em seu livro “Drive”, as pessoas são motivadas por 3 aspectos principais: Autonomia, domínio, e propósito.

    A autonomia rege muito da nova geração de trabalhadores que não suporta a microgestão imposta pela geração industrial, onde cada minuto de produtividade importava. Acima de tudo, hoje cada pessoa possui o seu ritmo de trabalho e os resultados são mais importantes do que o tempo necessário para entregá-los.

    Maestria tem a ver com domínio e evolução. As pessoas se sentem motivadas quando entendem que dominam uma ferramenta, uma atividade ou processo e conseguem evoluir constantemente. Miguel citou inclusive a questão de gameficação, em que o prazer do jogo é justamente passar de fase e se tornar um jogador mais qualificado a cada dia. Isso também vale para os negócios.

    Por fim, Propósito é algo essencial para manter a motivação da equipe. Cada vez mais as pessoas querem acesso e entender o impacto que a empresa está causando no ecossistema local e no mundo. E as empresas que não possuem clareza sobre seu próprio propósito possuem dificuldade em orientar seus funcionários para que andem juntos em direção ao mesmo objetivo.

  3. Há mais pessoas inteligentes fora da empresa do que dentro dela;

    Receber análises externas é fundamental para uma empresa que deseja inovar pois a inovação vem de toda a parte, Portanto é importante que a empresa tenha em seu comportamento aceitar essa inovação.

    As pessoas que trabalham em empresas estão tão habituadas com os vícios e problemas que não percebem como esses desafios podem ser superados. Por isso costumam reconhecer desafios existentes como permanentes e que devem ser aceitados em seu dia a dia.

    Se você for a pessoa mais esperta da sala, contrate melhor. Não adianta, são pessoas boas que fazem uma empresa crescer. Contratar apenas para preencher vaga e não focar em pessoas talentosas, por outro lado, tende a trazer mediocridade e baixos resultados para a empresa.

  4. Mire na lua, e na pior das hipóteses você pousará no telhado;

    O Brasil viveu anos em que o mercado tradicional ficou refém da economia. Enquanto isso, startups desenvolveram excelentes produtos e estão construindo empresas fantásticas. Qual é a diferença? O alvo. Enquanto muitas empresas querem se manter vivas e tomam ações para “não se enterrarem”, as startups miram na lua. Claro que há aquelas que acabam fracassando, mas faz parte do jogo. Muitas outras acertam a lua, saem de órbita, ou pelo menos caem em cima de algum telhado.

    Pense sempre na conjunção “e”, e não “mas”. Isso desperta a criatividade e faz refletir mais profundamente sobre as ações. Por exemplo: Preciso contratar um bom engenheiro, mas não tenho dinheiro, portanto não vou contratar. Esse é o raciocínio óbvio. No entanto, a nova pergunta que deve ser feita é: Preciso contratar um bom engenheiro e não tenho dinheiro, como posso fazer isso? Esse exemplo exige criatividade e o desenvolvimento de hipóteses como captar investimento, oferecer vesting (participação da empresa), contratar part time e por aí vai…

  5. Falhe rápido e falhe bem;

    Avalie se o que você está fazendo está avançando, e entenda quais são as métricas que definem se o projeto terá sucesso ou não. Utilize metodologias de validação rápidas para avaliar e não se apegue caso o projeto dê fortes sinais de que não terá sucesso.

    O que você pode fazer é entender no seu “fracasso” o que pode ser utilizado em algum outro produto ou serviço que você possui ou pode desenvolver. Reconheça as pessoas que fizeram parte do trabalho e entenda que o fracasso é do projeto, e não delas.

    A melhor resposta é “sim, deu certo”, a segunda é “não”, a pior delas é “talvez dê certo”. Por isso não perca tempo demais batendo em gato morto.

  6. Lançar e iterar, sem esquecer de iterar;

    Lançar um projeto é o começo da jornada. Portanto a troca de informações com o mercado e a análise do produto é que vão garantir o sucesso. Esteja sempre em contato e avaliando melhorias no produto atual para resolver os problemas dos clientes reais.

  7. “Do cool shit that matters”;

    Faça o que importa, portanto não se perca pelas tarefas que são desnecessárias. Foco é algo fundamental para o bom sucesso de um projeto, startup, empresa ou carreira. Entenda o impacto do que você faz e, acima de tudo, faça algo muito, muito bem feito. Não tente de tudo porque certamente você irá se perder.

Gostou do nosso artigo sobre Tendências 2020? Para mais artigos como esse, acesse https://ventiur.net/blog/.

#GoHard

Escrito por George Leonardo Gallas, Gestor de Aceleração na VENTIUR.