Concede Crédito Imobiliário Vence a Batalha de Startups

Crédito imobiliário prático, ágil e transparente para todos os envolvidos na cadeia de compra e venda imobiliária – esse é o objetivo da Concede, www.concedecredito.com.br, startup que utiliza sua tecnologia para unir em uma única plataforma todos os processos de financiamento do início ao fim e em tempo real.

A quarta edição do Gramado Summit promoveu uma imersão de conteúdos e possibilidades de conexões entre os participantes. A VENTIUR liderou a Batalha de Startups, competição entre as startups expositoras em busca da solução mais disruptiva, tendo como prêmio um investimento de R$ 200 mil reais, podendo chegar a R$ 1 milhão de reais com co-investimento. Ao longo dessa batalha, mais de 30 startups foram avaliadas pela VENTIUR e seus investidores em critérios como inovação, mercado, equipe e modelo de negócios.

A grande final da Batalha de Startups, realizada no palco principal, encerrou o evento com chave de ouro e sucedeu a fala do nosso governador Eduardo Leite, sendo anunciada por ele para a realização do fechamento da Gramado Summit. A vencedora desta disputada batalha foi a Concede, que mostrou entregar extremo valor para seus usuários em um processo bem estruturado em um mercado em expansão. A Concede foi desenvolvida em novembro de 2020, considerando um mercado que movimenta R$140 bilhões por ano no Brasil, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e tem como objetivo auxiliar no processo de financiamento imobiliário e nos processos burocráticos de quem deseja adquirir um imóvel.

Afonso Vinicius, CEO da Concede, explica que a plataforma foi desenvolvida a partir dos problemas que enxergava durante o financiamento de um imóvel. “Criamos o aplicativo prestando atenção nas dores do mercado. Ter conquistado o prêmio no Gramado Summit só mostra que o produto faz muito sentido. Não tem solução como a nossa”, comenta o CEO.

Prema vence Sebrae LIKE A BOSS no Gramado Summit 2021

A startup oferece praticidade e transparência à revisão automotiva

Revisões automotivas com agilidade e transparência – esse é o objetivo da Prema Car, www.premacar.com.br, startup que alia tecnologia e praticidade para oferecer aos proprietários de veículos um novo formato de economizar, contando com um serviço de qualidade e manter em dia as manutenções preventivas e preditivas, com base nas recomendações do manual do proprietário. A solução oferece ao cliente uma economia que pode chegar a 40% em relação aos valores praticados pelas concessionárias.

 

Prema na Gramado Summit

A startup Premacar foi a vencedora do Desafio Sebrae Like a Boss, promovido pelo Sebrae RS e que aconteceu durante a programação do Gramado Summit 2021. A empresa se destacou entre outras 23 startups, que apresentaram seus modelos de negócios e agora representará o Rio Grande do Sul na etapa nacional. Foram realizadas três etapas do desafio, uma em cada dia, com apresentações de pitches. “Esse prêmio endossa o que a gente já acredita, que estamos focados em resolver o problema de credibilidade do ramo automotivo. Estamos criando uma solução para um problema real e isso é muito bacana. Somos muito gratos por tudo”, destaca Peterson Kolling, CEO e fundador da Prema.

 

Como funciona a solução da Prema?

Peterson explica que na prática a solução funciona da seguinte maneira: o proprietário entra no site da empresa e solicita uma cotação gratuita. Ele deve informar os dados do veículo, o que inclui placa e quilometragem, além de seus dados cadastrais, como e-mail e telefone. A partir daí a equipe da Prema Car realiza um levantamento, com base no manual do veículo fornecido pela montadora, e elabora um orçamento indicando quais serviços e reposição de peças são recomendados para serem executados durante a manutenção, conforme a quilometragem do carro. Posteriormente, uma mensagem via WhatsApp será enviada ao proprietário, indicando quando seu orçamento estará disponível para consulta, o que acontece no prazo máximo de um dia útil. 

O CEO destaca que ao receber a cotação, o cliente já pode contratar o serviço diretamente no site, de forma rápida e segura, e também agendar o serviço no horário que o cliente quiser. Segundo Kolling, também nesse primeiro orçamento são disponibilizadas informações completas sobre os valores das futuras revisões, tudo de forma online. Após agendada a revisão, o cliente pode escolher se ele quer levar seu carro ao auto center conveniado ou se quer que o carro seja buscado na casa dele. Se o cliente optar pelo “Leva-e-Traz” deve informar o local onde o veículo deve ser buscado, que a equipe da Prema Car se encarrega de garantir a retirada e a posterior entrega depois da conclusão do serviço. 

Outro diferencial indicado por Kolling é o fato de que todo o serviço realizado no veículo do cliente nas instalações do auto center parceiro, o que inclui substituição de peças e troca de fluídos, é filmado e disponibilizado posteriormente ao cliente. “Oferecemos uma nova experiência ao usuário, com base na transparência, evitando que ele contrate serviços que não são necessários para seu veículo”, enfatiza. O cliente ainda recebe um relatório completo da manutenção, contendo gráficos que permitem a ele acompanhar a saúde dos itens de segurança de seu veículo. 

“Depois de fazer as revisões de segurança com a Prema Car, o cliente irá receber um certificado online que irá agregar ao valor de seu carro no momento da revenda”, justifica. Conforme o CEO, esses dados poderão ser compartilhados, inclusive, com o novo proprietário do veículo, gerando confiabilidade e procedência à transação comercial. 

 

Empresa projeta expansão para 2021

Os aportes financeiros que a empresa irá receber durante o processo de aceleração da VENTIUR, já têm destino certo. Os recursos permitirão que a Prema Car consiga implementar seu plano de expansão para este ano. “Para 2021 queremos tracionar o negócio, investindo em pessoas e fortalecendo os nossos times de marketing e vendas”, revelou Kolling. 

Além disso, a empresa também quer expandir sua área de atuação, que hoje, em função da rede de prestadores de serviço, está concentrada principalmente na região de Porto Alegre. “Estamos analisando novos mercados não apenas no Rio Grande do Sul, mas também em estados como Santa Catarina, Paraná e São Paulo”, pontuou. Para isso, a empresa quer ampliar sua rede de oficinas parceiras, assim como já faz com a Escola do Mecânico – instituição de Campinas/SP, que trabalha na formação técnica de profissionais para o mercado de reposição automotiva. “A intenção é que a Prema Car venda a revisão do veículo e um profissional capacitado por esta instituição desempenhe o serviço, argumenta o CEO. 

Kolling revela que o objetivo é se tornar referência para o segmento automotivo no País, oferecendo, inclusive, treinamento para a redes de parceiros. “Queremos gerar credibilidade e transparência em um ramo que tradicionalmente gera insegurança aos proprietários de veículo”, observou. Atualmente a equipe da Prema Car é formada por 15 pessoas. Sua sede física permanece em Porto Alegre, mas a empresa está vinculada ao Feevale Techpark, em Campo Bom/RS. 

 

Família de tradição no ramo automotivo

A empresa surgiu em 2019, em Porto Alegre/RS. Cerca de um ano antes, Kolling, assumiu uma das antigas unidades de negócio da família, que tem tradição no segmento automotivo desde a década de 1950. Ele lembra que nos anos 1950 o avô abriu uma oficina de mecânica, que com o passar dos anos se transformou em uma importante rede de venda de pneus, com filiais em várias regiões. A década era 1980 e a empresa de sua família se destacou por 25 anos como sendo a maior revenda de pneus de uma fabricante americana no Brasil.

Com o fechamento do negócio em 2015, o CEO conta que não tinha intenção de continuar atuando no mesmo modelo de negócios que o da sua família, onde as margens com venda de pneus estavam sendo cada vez menores. Ele queria algo novo. “Pensei em inovar, deixar de lado a atividade da família e atender necessidade do cliente. Por isso a ideia de criar um negócio com foco verdadeiramente no consumidor”, destaca. Dessa maneira Kolling passou a desenvolver uma solução que pudesse garantir que o serviço de manutenção automotiva fosse mais transparente. 

Ele lembra que no primeiro ano, a empresa participou de um programa de incubação no TECNOPUC. Nessa época, o CEO, que é da área de administração de empresas, se juntou aos outros três sócios e passou a buscar os recursos necessários para desenvolver a solução. Ainda em 2019, a startup participou de dois programas para novos negócios do Sebrae e no ano passado, já com o negócio em andamento, do programa IA² MCTI – Inovação Aberta e Inteligência Artificial do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) em conjunto com a Softex. “Através do programa MCTIC estamos desenvolvendo uma IA, inteligência artificial, para criar uma rastreabilidade da manutenção e histórico dos veículos”, finalizou o CEO. Para saber mais sobre a Prema acesse o site ou nas redes sociais pelo @premacar no Instagram e @premacarr no Facebook.

 

Seleção no programa do MCTI

A empresa está entre as startups selecionadas pelo programa do MCTI para receberem aceleração da VENTIUR. A iniciativa do MCTI tem como objetivo apoiar projetos de pesquisa e desenvolvimento orientados ao desenvolvimento de soluções em inteligência artificial em quatro áreas prioritárias: agronegócios, saúde, indústria e cidades inteligentes. A empresa é uma das startups do ciclo de aceleração da turma 11 da VENTIUR que teve início em dezembro último.

Durante esse período, a Prema Car terá o acompanhamento da aceleradora e de seus mentores, e também do gestor de aceleração da VENTIUR por um período de sete meses até julho próximo, quando acontece o Demoday. Uma agenda intensa de atividades está prevista, a qual inclui bootcamps, reuniões de acompanhamento e eventos de capacitação com foco no desenvolvimento dos empreendedores e seus times.

VENTIUR escolhe startups finalistas para o Pitchday#12

A VENTIUR, em parceria com os seus veículos de investimento Hélice e Fundo20, selecionou as finalistas para o Pitchday que definirá as startups que farão parte do portfólio VENTIUR a partir de Maio de 2021. 

O pitchday do Hélice será na terça-feira, dia 20 de abril às 16h, enquanto o Pitchday do Fundo20 será na quinta-feira, dia 22 de abril também às 16h. 

A expectativa é de que cada veículo de investimento faça cerca de 5 aportes no valor de até R$ 200.000,00 cada. As startups podem ser compartilhadas entre ambos os veículos de investimento.

Para George Gallas, Head de Aceleração e Portfólio da VENTIUR, a qualidade das startups envolvidas neste processos superou as expectativas, principalmente no potencial dos empreendedores envolvidos nos projetos. 

Segundo Fernanda Dauber, responsável pelo relacionamento com investidores da VENTIUR, “Essa é uma excelente oportunidade para os investidores que desejam realizar co-investimento, aumentando a sua participação nas Startups. A VENTIUR já fez uma seleção na qual tivemos 245 inscritos, então estamos trazendo para a final startups que possuem grande potencial e já passaram por uma série de análises tanto da equipe de seleção quanto dos investidores que participaram das entrevistas com os empreendedores.” 

O evento é restrito aos investidores dos veículos de investimento, mas investidores da VENTIUR de outros veículos que queiram participar podem solicitar seu convite diretamente com a Fernanda.

 

Segue abaixo a lista de Startups aprovadas para o Pitchday do Hélice:

123 Projetei

5Hub

B2BHotel

BioSens

DriveOn

Lydia

PickMe

Otoos

SomosGad

Tributei

UMentor

YoursBank

 

Para o Pitchday do Fundo20, foram aprovadas as seguintes startups:

123 Projetei

B2BHotel

BioSens

DriveOn

Lydia

PickMe

PliQ

SomosGad

Tributei

UMentor

YoursBank

Décimo Bootcamp do BRDE Labs aborda Métodos Ágeis de Gestão e Liderança

O décimo bootcamp da etapa de aceleração do Programa BRDE Labs foi realizado na última quinta-feira, 22. O bate-papo online teve como temática Métodos Ágeis de Gestão e Liderança, com o palestrante Rafael Prikladnicki, Gestor de Negócios e Relacionamento do Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc). Prikladnicki também é co-fundador do GUMA-RS desde 2009, foi coordenador geral da Agile Brazil, e co-fundador e board da Agile Alliance Brazil.

Entre os pontos destacados pelo Gestor de Negócios e Relacionamento do Tecnopuc, está o ponto de equilíbrio: “Aqui estamos falando de startups: então é muito importante entendermos a dinâmica de empreender. Todos nós estamos sendo convidados a reencontrar nosso ponto de equilíbrio”. Além disso, o palestrante reforçou que a agilidade deve ser entendida e tratada no sentido de cultura, posição, mentalidade.

De acordo com ele, é preciso “criar experiências que ressignifiquem a nossa forma de gerir, de nos relacionar e de lidar com a tecnologia”. Prikladnicki ainda relembrou  que, no paradigma industrial, as pessoas e empresas aprenderam a trabalhar na antecipação, e muitas ainda permanecem assim. Um dos exemplos é a educação: “As Universidades da Aliança para Inovação, UFRGS, PUCRS e Unisinos, tem se movimentado para mudar essa lógica na educação”, disse.

Ele destacou que a lógica da escassez está se transformando na lógica da abundância. E no paradigma digital, o que existe é a colaboração, a criatividade e a exponencialidade. “O fato é que precisamos nos adaptar a um mundo que já mudou. E se não fizermos nada, vamos ficar com a sensação de um gap do que estamos fazendo e do que está acontecendo”, frisou o palestrante. Segundo Prikladnicki, existe um conflito quando o pensamento digital ganha mais espaço. “Isso porque nem todos nós temos a mesma orientação temporal. Podemos discutir sobre gestão e descobrir que cada um pensa de um jeito. Nós temos evoluído bastante mas ainda tem um longo caminho”, afirmou.

Sobre 2020, o Gestor de Negócios e Relacionamento do Tecnopuc explica: “trouxemos para o presente 5 anos de futuro nesse isolamento físico. Utilizamos a tecnologia para facilitar nosso modelo de gestão e de trabalho. Por isso, é preciso valorizar o posicionamento de abundância e não de escassez”. Ele ainda resgata um exemplo como o da greve dos caminhoneiros. “É o exemplo perfeito de escassez. Todos foram abastecer os veículos sem precisar. É a lógica da escassez. Às vezes é difícil entender e agir com a lógica da abundância”, explica.

Nas organizações, ele ainda contou sobre a atualização recente do Modelo de Gestão do Tecnopuc: “Desde 2017, saímos do modelo de gestão centralizada para o modelo de gestão distribuída. E este ano diminuímos ainda mais os níveis hierárquicos. No Parque, temos um modelo baseado na autonomia e no empoderamento, que existem com alinhamento e responsabilidade”. Entenda o novo modelo de gestão do Tecnopuc clicando aqui.

O palestrante também cita um tripé crucial: novas tecnologias, nova mentalidade e novas organizações. Para ele, é preciso transformar, inovar e agir. “Reencontrar o nosso ponto de equilíbrio no mundo que está mudando”, acrescenta Prikladnicki.

Participaram do evento representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos e empreendedores das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos.

Assista ao bootcamp no nosso Youtube

Gestão para lucratividade é o tema do oitavo bootcamp BRDE Labs

No dia 8 de outubro o Programa BRDE Labs teve seu oitavo bootcamp, desta vez a temática foi “Gestão para a Lucratividade”, um tema de grande importância para qualquer Startup que as aceleradas do programa e outros convidados puderam acompanhar. O convidado da semana foi Diego Marconatto, professor na Unisinos com pós doutorado internacional e Sócio da ABC negócios.

Diego escreveu “O Livro do Lucro” e usa a sua pesquisa e experiência para desmistificar algumas ditas regras e leis do sucesso financeiro e ajudar empreendedores a atingir “um fluxo de caixa positivo, crescente e previsível”, conforme disse. Além disso, ele aponta a importância do estudo e experiência para os profissionais de startups, bem como mostra que as principais capacidades exigidas de tais negócios são: saber ler o mercado e desenvolver um modelo de negócio “escalável e repetitivo e lucrativo”. Mesmo startups com tecnologias muito sólidas podem não atingir seu potencial se não tiverem um foco comercial, segundo Marconatto.

Todo negócio se baseia em 5 pilares principais: Produtos e Serviços, Dinheiro, Lucro, Pessoas e Investimentos. A forma com que cada empresa arranja estes pilares e faz a sua gestão é fundamental para o sucesso de cada iniciativa. Além de discutir como cada um destes aspectos dos negócios deve ser trabalhado, Diego também aponta que todo negócio precisa desempenhar três papeis principais: o executor, o empreendedor e o gestor. Através destas funções, a startup precisa alinhar o cliente, o produto e o negócio.

Ao final, foi realizado um bate papo para que todos pudessem esclarecer dúvidas, discutir assuntos importantes com relação à gestão para a lucratividade e poder ouvir um pouco mais sobre o assunto na perspectiva do professor.

O bootcamp contou com a presença das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos, bem como representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos.

Assista ao bootcamp completo:

Sétimo bootcamp do Programa BRDE Labs aborda Gestão de Estratégia para Startups

O sétimo bootcamp da etapa de aceleração do Programa BRDE Labs foi realizado na última quinta-feira, 01. Teve como temática Gestão de Estratégia para Startups. O bate-papo online foi conduzido pelo diretor da Strategy Tools, Tiago Grandi e pelo consultor e investidor em startups, Rodrigo Leiria Schneider.

Durante o bootcamp, Grandi falou sobre o porquê de a estratégia ser tão importante para as startups e afirmou que a estratégia é a disciplina da vitória. Além disso, apresentou algumas ferramentas desenvolvidas pela Stregy Tools e abordou processos de criação de estratégia para empresas. “As ferramentas são como palavras de uma nova linguagem estratégica. Estimula, através de perguntas, uma reflexão aprofundada do negócio”.

Leiria mostrou para as startups uma ferramenta chamada “6x Company Building Canvas”, desenvolvida pela Strategy Tools. Onde os empreendedores podem analisar a cultura da empresa em diversos setores como equipe e desenvolvimento da companhia. Através dessa análise de como a empresa está e onde deve chegar naquele setor os empreendedores conseguem traçar estratégias mais assertivas para alcançar as metas da empresa.

Após o bate-papo, Grandi e Leiria conduziram um exercício junto com os empreendedores colocando em prática a ferramenta, debatendo como seria a aplicabilidade em cada startup e tirando dúvidas sobre o método.

Participaram do evento representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos. Além dos empreendedores das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos.

Marketing é o tema do sexto bootcamp do BRDE Labs

O sexto bootcamp da  etapa de aceleração do Programa BRDE Labs foi realizado na última quinta-feira, 24. O bate-papo online teve como temática Marketing, com o palestrante Rodrigo Rocha Guterres, Gerente de Marketing, Vendas e Relacionamento do Clínicas Sorrifácil. Guterres já foi gerente de Marketing da Unisinos, trabalhou na Intelig Telecom, é técnico em eletrônica, bacharel em administração e mestre em filosofia. Passou por diversas áreas: tecnologia, telecomunicações, educação, saúde, entre outras.

De acordo com ele, a pergunta principal para se responder no primeiro passo de qualquer plano de Marketing é: qual é o posicionamento de marketing da organização? Guterres destaca: “Antes de qualquer iniciativa, card, anúncio, impulsionamento, é muito importante definir qual é posicionamento do nosso negócio: quem é meu público-alvo? Isso determina um monte de coisas”. Ele utilizou o exemplo de uma cerveja artesanal premium: o próprio nome do produto já determina que terá um valor agregado, consequentemente mais caro. A distribuição terá que ser em mercados nobres, pois o produto é caro. “Ele precisa estar nos lugares onde o meu público se encontra. Se eu for fazer uma comunicação nas redes sociais, tenho que escolher uma faixa etária com renda maior, por exemplo”, explica Guterres.

E para realizar a conexão entre o plano e o posicionamento, o Gerente de Marketing garante que é importante definir estratégias, como as ferramentas que serão utilizadas. Ele trouxe dados que mostram que 94% das empresas escolheram Marketing Digital como estratégia de crescimento, enquanto 5%  não adotam marketing digital, e 1% tem algumas ações mas não tem uma estratégia definida. “O marketing digital não é mais uma escolha. É como disse Bill Gates em 2008 quando perguntaram pra ele se todas as empresas deveriam estar na internet. Ele respondeu que em 30 anos existiriam duas empresas, as que estão nas internet e as que não existem”, relembra.

O palestrante do bootcamp ainda expôs que o marketing digital tem vantagens em relação ao offline, mas tem complexidades. “Uma das vantagens é que eu consigo mensurar muito facilmente as ações que realizo. Mas, por outro lado, tenho dificuldade de descobrir a forma correta de abordar os clientes. O digital muda rapidamente, como toda tecnologia. Temos que estar muito atentos”, aconselha Guterres.

Ele ainda reforça que o desafio é transformar as ações de marketing em conversão: conseguir comunicar com os clientes de forma que o conteúdo gere sentido e significado para eles. “Mais do que isso, trabalhar como uma ferramenta de fidelização. O principal objetivo é converter em contatos e clientes”, sintetiza.

Participaram do evento representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos e empreendedores das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos.

Assista ao bootcamp completo:

Quinto bootcamp do Programa BRDE Labs debate estratégias de venda na pandemia do novo coronavírus (Covid-19)

O quinto bootcamp da etapa de aceleração do Programa BRDE Labs foi realizado na última quinta-feira, 18. O bate-papo online teve como palestrante o CEO da Advance Consulting, Dagoberto Hajjar, que falou sobre ‘Como Vender na Crise da COVID’. Hajjar explicou que uma das suas tarefas é ajudar as empresas de tecnologia a se estruturar, tanto do ponto de vista estratégico, como em marketing e vendas. “Auxiliamos as empresas de tecnologia a vender, com uma metodologia que é embasada através de um Centro de Pesquisa, onde já entrevistamos cerca de 4 mil empresas do setor”.

De acordo com Hajjar, a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) deixou o mercado de tecnologia em alerta. “Havia uma expectativa de crescimento de 20% em 2020 no setor. Com a pandemia, começamos a monitorar, a fim de saber o impacto. Nos dois primeiros meses, os empresários não tinham a menor ideia do que iria acontecer. Estamos projetando que o setor de TI feche o ano com 10% de crescimento, o que seria um número fantástico”.

Para Hajjar, o Brasil possui grande defasagem tecnológica, resultado de um investimento de pouco mais de 2% do PIB ao longo dos últimos 15 anos. Para fins de comparação, no mesmo período, os Estados Unidos investiram cerca de 3,9%. “Esta diferença de investimentos criou um déficit de tecnologia com forte impacto na infraestrutura de telecomunicações e nos segmentos de educação, varejo e saúde”.

Nesse contexto, a pandemia tornou-se uma oportunidade para o setor de TI, uma vez que a realidade dos clientes mudou. “É preciso estar atento e olhar para o mercado. Como eu faço para estabelecer estratégias e ações de curto prazo? Por exemplo, não faz mais sentido ter carteiras de vendas com territórios geográficos. Mas sim, por especialização do vendedor e de mercado, pois o cliente pode estar em qualquer lugar”, explica Hajjar. Além disso, o consultor destaca que o processo de vender ficou mais complexo e demorado. Por isso, o planejamento de vendas precisa estar alinhado com o departamento de marketing, que precisa ser matemático e orientado a vender.

No final do bootcamp, foi realizada uma rodada de perguntas, com o intuito de sanar as principais dúvidas dos empreendedores com relação à legislação e sua aplicação em seus negócios.

Participaram do evento representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos e empreendedores das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos.

Assista ao bootcamp completo:

Quarto bootcamp do Programa BRDE Labs aborda Inspiração e Mindset Ágil na Gestão de Negócios

O quarto bootcamp da etapa de aceleração do Programa BRDE Labs foi realizado na última quinta-feira, 10. Teve como temática Inspiração e Mindset Ágil na Gestão de Negócios. O bate-papo online foi conduzido pelo especialista em Gestão Estratégica e Agilidade de Negócios e CEO da Surya, Luiz Parzianello, que destacou que é preciso atender às demandas e desafios da nova economia digital. “Precisamos de líderes que ajudem no desenvolvimento das novas competências. Não se trata de levar a agilidade para fora da tecnologia. Mas sim, que tenham capacidade de se adaptar rapidamente às tendências e mudanças do mercado”.

Durante o bootcamp, Parzianello falou sobre mudança de cultura organizacional, gestão de pessoas, processos, tecnologias e projeção de crescimento. Além disso, destacou os 12 princípios do Manifesto Ágil: agregar valor ao cliente, produtos que funcionem, entregar em círculos curtos, compreender as mudanças, colaborar na criação, buscar a excelência, evitar desperdícios, comunicar e interagir, confiar e dar suporte, empoderar a equipe, ritmo sustentável e melhorar continuamente. “Agilidade de negócios é um diferencial competitivo. É um conjunto de características da empresa, capacidades que levam ela para um cenário que é difícil ter concorrente, não só pelo produto em si. É preciso pensar no design, implementação e entrega. Agilidade de negócios é tornar os negócios incríveis”, destaca Parzianello.

No final do bootcamp, foi realizada uma rodada de perguntas, com o intuito de sanar as principais dúvidas dos empreendedores, trocar ideias e elaborar ainda mais sobre o tema. Participaram do evento representantes do BRDE, da VENTIUR, das três das universidades que integram a Aliança para Inovação – UFRGS, PUCRS e Unisinos e empreendedores das 12 startups selecionadas para a etapa de aceleração do Programa BRDE Labs: 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos.

Assista ao bootcamp no nosso YouTube:

Terceiro Bootcamp do Programa BRDE Labs aborda Tecnologias Emergentes e Inteligência Artificial

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) acelerou a busca por novas tecnologias, em meio a um ambiente turbulento de instabilidade, que nos coloca diante de um grande desafio: como criar soluções para a retomada da economia gaúcha após o pico da doença? Este é um dos objetivos do Programa BRDE Labs, que realizou o terceiro bootcamp, com os empreendedores das 12 startups selecionadas, no dia 3 de setembro. O bate-papo online teve como temática Tecnologias Emergentes e a Inteligência Artificial, um assunto de relevância para o mercado e de especial importância para as aceleradas do programa. Para discutir estes assuntos, o CEO e fundador da Rocket.Chat Gabriel Engel e o Diretor de Inovação da Teevo Rodrigo Koetz, foram convidados a compartilhar um pouco dos seus conhecimentos e experiências.

Koetz trouxe sua visão sobre tecnologia e dados, dando ênfase ao Machine Learning, mostrando suas potencialidades e exemplos aplicados de mercado: sua arquitetura, como podem ser implementadas e os tipos de resultados esperados. “Se trata de um novo paradigma no uso de dados na busca de resultados reais para negócios diversos”.

Para Koetz, as empresas estão com dificuldade para lidar com o seu ativo mais eminente: os dados e o uso para a tomada de decisões. “Por um lado, isso é uma dificuldade. Por outro, é também uma grande, especialmente em um cenário em que as tendências de longo prazo vieram bater na nossa porta. Os desafios do mercado hoje podem ser resolvidos através do uso inteligente dos dados, da tecnologia e do potencial empreendedor”.

Engel falou sobre a evolução da tecnologia, o mindset da inovação e o que podemos esperar para os próximos anos, em diversos campos, com soluções que irão afetar tanto o mercado em uma visão macro, quanto alterar pessoas em nível celular. Para ele, a evolução da tecnologia pode ajudar a compreender os passos futuros e a desenvolver novas soluções, inesperadas e inovativas.

Para Engel, a interação entre ideias é o principal motor de geração de novas soluções. Ele atenta para o fato de que “nossas expectativas (ligadas à inovação) são baseadas nas experiências. Mas, algumas mudanças ocorrem em uma progressão geométrica e essas, são as que realmente pegam as pessoas de surpresa”.

Após as apresentações dos convidados, a conversa foi aberta para os participantes poderem trocar ideias, fazer perguntas e elaborar ainda mais sobre inovação, tecnologias emergentes, e inteligência artificial. Além de representantes das 12 startups aceleradas – 2Metric, Agência Besouro, BioIn, DigiFarmz, Elysios, Essent Agro, Faba, Insumo Fácil, Palma Sistemas, Polvo Spot, Optim e Talos -, o evento contou com a participação do BRDE, da Ventiur, das universidades que integram a Aliança para Inovação (UFRGS, PUCRS e UNISINOS).

Assista ao vídeo do Bootcamp: